A CGD E AS REUNIÕES DE BRUXELAS

Em resposta a mais uma interpelação dum diligente e “inteligente” repórter, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu pela milésima-centésima-quadragésima-segunda vez, que, sobre a Caixa Geral de Depósitos, já tinha dito tudo o que havia para dizer.

Acrescentou, mesmo assim, o Presidente da República, que é consenso nacional que devemos olhar para o futuro e desejar sucesso para a Instituição.

Olhe que não, olhe que não, Senhor Presidente!

Os do costume, não querem consenso nenhum, antes pelo contrário, continuam, com uma grossa lupa em posição tal qual o investigador “Sherlock Holmes”, a procurar por tudo quanto é sítio, putativas falhas ou descuidos que possam complicar o caminho para a desejada recapitalização da CGD.

Calmas que estão as anteriores polémicas, eis que nos escaparates dos papéis-jornais e alinhamentos dos espaços noticiosos das nossas televisões, surge a última bomba; o presidente da CGD esteve em reuniões de Bruxelas antes de ter sido nomeado para a função.

Iniciam assim, mais um folhetim desta novela que já cheira mal.

Que me interessa a mim e à generalidade dos portugueses, que o homem tenha estado com pessoas de Bruxelas e de Frankfurt, uns dias, umas semanas ou um mês antes de tomar posse?

Todos sabemos que só não tomaram posse mais cedo porque estavam à espera de luz- verde sobre a recapitalização.

Porque não se calam???

Silvestre Félix
24.11.2016
Tag: Caixa Geral de Depósitos 

Foto: Google imagens

Sem comentários:

OS SEGREDOS E OS PERIGOS, VISTOS POR UM CANUDO...

Se, num passe de mágica, conseguisse recuperar a “minha-janela-daquele-terceiro-andar”, donde, durante tanto tempo contado em anos, conseg...