O PS E A CANDEIA ÀS AVESSAS...


O Partido Socialista chegou ao fim de semana com a “candeia às avessas”.

Como disse António Costa, a extemporânea «discussão de questões estatutárias do partido» não deixa o PS, bem na fotografia. Os portugueses reclamam que se gaste energias noutras matérias que não sejam só internas do PS; que o maior partido da oposição sirva de eficaz alternativa para as medidas mais gravosas do Governo; e que passem para “fora” uma imagem de organização credível e capaz de assumir as suas responsabilidades.

Também não fica nada bem ao PS descartar-se com alguma frequência do passado recente. Cometeram-se erros que devem ser reconhecidos e assumidos e também capitalizar os sucessos que os houve e não foram poucos.

O líder, António José Seguro, sempre teve muita dificuldade em lidar com a herança. Não nos podemos esquecer que, após as últimas eleições, quando Sócrates acabava de reconhecer a derrota e anunciava no mesmo momento o seu afastamento de liderança, Seguro, no outro canto da sala, já confirmava a sua candidatura ao lugar que ia ficar vago.

Espera-se, os portugueses esperam do Partido Socialista responsabilidade e que, no seu lugar, faça o trabalho certo sem ter de descartar o passado. Deixem as lutas “intestinas” para um período mais calmo que, todos queremos, venha a acontecer daqui a “uns tempos”.

Silvestre Félix

BACALHAU E OS INTELIGENTES!

A Comissão Europeia, de quando em vez, esquece-se que tem coisas importantes para tratar e decreta diretivas e outras obrigações para os Estados membros que não lembra ao diabo.

Ainda não há muito tempo, lá em Bruxelas, os mangas de alpaca inventaram aquele novo alojamento para galinhas poedeiras de oito assoalhadas, três casas de banho, despensa, arrecadação, cozinha equipada e certificado energético atualizado. Tudo leva a crer, independentemente dos protestos da generalidade dos países, que a diretiva vingou e, quem não cumpra, será penalizado.
Com menos sucesso dos burocratas que envolvem a Comissão e “comem” em Bruxelas, uma outra extraordinária ideia, felizmente, não foi avante. Vejam só! Os “inteligentes” queriam alterar as regras da salga do bacalhau. Lembraram-se de impor o uso de fosfatos em químico, em vez do sal ancestralmente utilizado pelos pescadores portugueses.
Soube-se hoje que se deram mal. Porque a “brilhante” proposta foi chumbada ainda na Comissão, podemos, por enquanto, ficar descansados e continuar a comer o bacalhau salgado à nossa maneira.
Silvestre Félix

PARQUE ESCOLAR


Muitos erros se cometeram durante os governos de Sócrates e estarão sempre associados à crise da dívida pública, à vinda da troika, à hipoteca temporária de soberania, mesmo que este resultado, em parte considerável, tenha sido provocado por fatores estranhos à governação socialista. Imediatamente foram penalizados nas urnas, como se usa nas democracias e, no meio dum “oceano” de normalidade, Passos Coelho toma posse com uma carteira invejável de “créditos” que, entretanto, já estão esgotados.
   
Por muito que tentem, os que estão agora “na mó de cima”, não conseguirão transformar as coisas boas dos seis anos de Sócrates, em obras do diabo. O certo seria corrigir o que disso precisasse, parasse o que errado fosse, seguido, desenvolvido e melhorado o que de bom se encontrasse. Mas não! Basta vir do anterior Governo para logo ser mau até “à última potência”.

A reabilitação das escolas e a gestão da “Parque Escolar” precisaria de algumas correções e ajustamentos aos constrangimentos financeiros deste tempo mas, sustentar uma campanha condenatória como a que está a correr não é “cem por cento” honesto. Todos sabemos que o que tem sido “libertado” do relatório do TC aparece completamente descontextualizado e induz em erro quem lê e quem ouve. É preciso ler tudo, as linhas e as entrelinhas, ir ao terreno, saber como era antes e como é depois das obras, conhecer as explicações (igualmente ao dispor da comunicação social) justificativas das verbas gastas e, acima de tudo, ouvir as comunidades escolares e familiares abrangidas pelo programa de reabilitação.

Silvestre Félix

TGV OU TVG E O CIRCO…

O Tribunal de Contas é das instituições mais respeitáveis deste País e os seus acórdãos deviam ser sempre considerados à letra, mas que diabo, neste caso decorreram dois anos desde o pedido do respetivo “visto prévio”. Para os dias que correm é tempo demais. 

O anúncio do abandono do projeto TGV Caia-Poceirão foi feito em grandes parangonas como se de uma grande vitória nacional se tratasse. Era o “enterramento” duma bandeira do último Governo e isso já bastava para o regozijo. 

Mas bem me parece que “a montanha pariu um rato”. Soube-se há minutos que o Comissário dos Transportes afirmou hoje em Bruxelas, após reunião em que participou o Ministro Álvaro Santos Pereira, que a Comissão chegou a um entendimento com o Governo de Portugal para avançar com a ligação ferroviária, mas mais lenta. A velocidade, ainda assim, alta, será de 200-250 Kms/h. Será assim, um “TGV-MENOS“. 

Não dava para perceber como se deitavam à rua os fundos já disponibilizados pela UE e como se deixava o “comboio da Europa”, na fronteira. Haveria sempre qualquer coisa a fazer e, neste caso, o ganho com a menor velocidade é a grande redução de custos de funcionamento, designadamente em energia, mantendo intactas as vantagens da ligação a Espanha e à Europa

Em conclusão; Vai haver comboio de velocidade alta (em vez de 350 será de 250 Kms/h), bitola europeia para passageiros e carga, entre Caia, Sines e Poceirão e logo, até Lisboa, correspondendo aos interesses da Europa, de Espanha e de Portugal

O resto é circo político e não interessa para nada. 

Silvestre Félix

A CULTURA E A TUTELA…

De certeza que o seu dileto detetive Jaime Ramos, tantas vezes herói dos seus “policiais” e que eu admiro, não gostaria de o ver e ouvir no papel de principal responsável pela cultura deste País.

O discurso é direto e é para o Secretário de Estado da Cultura. Neste dia da poesia não lhe cabem bem, antes pelo contrário, algumas afirmações que vai fazendo por aí e mesmo na Assembleia da República. A “Coleção Berardo” não merece ser tratada com desdém e o seu proprietário também merece respeito. Joe Berardo tem muitos defeitos que a mim não me interessam nada. O que me importa é a sua vertente filantropa e não estou a falar da “arte” que está no CCB que, para mal dos nossos pecados e doutras coisas, tem novo Presidente.

O homem que conhecemos como “Joe”, tem por aí, muito mais coisas valiosas espalhadas pelo País à disposição dos olhares de portugueses que se interessam pela cultura.

Ao representante máximo da tutela da nossa cultura fica mal entrar “numa” de avaliador. A “Coleção Berardo” foi avaliada em 2005 e é esse valor que conta. Se o Estado alguma vez a quiser adquirir (tem esse direito porque ficou inscrito no contrato mas não é obrigado), que tente negociar mas usando aquela máxima que, “é uma pessoa de bem”.

Silvestre Félix

O ABANDONO DOS ENVC!

A maneira desprendida como os governantes se referem ao destino dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo é, no mínimo, escandaloso.

A privatização não é a salvação dos ENVC! A decisão é “sacudir a água do capote” vendendo mais um dos anéis. É o último grande estaleiro, o que resta da nossa, quase ancestral, indústria naval. Pelo menos, desde o século XIII, que do Pinhal de Leiria saía a madeira para a construção das embarcações que haviam de levar os portugueses aos quatro cantos do mundo. Foi por essa época que nasceram os primeiros estaleiros de construção e reparação naval de Portugal.
Desta feita, seis séculos depois, outros se encarregaram de acabar com esta “sabedoria” nacional. O “fim” foi iniciado na segunda metade dos anos oitenta do século passado com a “destruição” da Lisnave e Setenave e agora, outra vez pela mão do Estado, assistimos ao golpe de misericórdia com o abandono dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo.
«Esaú, vendeu-se por um prato de lentilhas!»
Silvestre Félix

PETRÓLEO E RENOVÁVEIS!

Toda a gente sabe e há muito, que o petróleo não voltará a ser barato. Os produtores das ramas e os intermediários do negócio até ao consumidor final vão continuar a usufruir dos chorudos lucros durante mais duas ou três décadas, pelo menos. 

Quem não produz e só consome, tem de se chegar à frente e encarar como desígnio, arranjar alternativa. A solução não passará por voltar ao carvão vegetal pelo que não se pode deitar fora o trabalho pelas energias renováveis feito por anteriores governos, mesmo que tenham sido doutra “cor”. 

Em vez de declarar “conformidade” com o constante aumento dos combustíveis, o nosso Primeiro-Ministro, deve afirmar-se apoiante do trabalho já feito e empenhar-se no reforço de tudo o que vá no sentido de reduzir a nossa dependência energética. 

Até ao “anterior governo”, estávamos no TOP universal deste trabalho, e agora? 

Silvestre Félix

TIMOR-LESTE

Eu estava lá e vi Ximenes Belo sair do edifício do aeroporto, tomar lugar no descapotável, a partir do qual saudaria todos os milhares de portugueses que o esperavam ali e ao longo do trajeto a percorrer pela cidade de Lisboa. 

Na pessoa do Bispo de Díli transmitíamos a nossa solidariedade a todo povo de Timor-Leste. Era grande a emoção e tínhamos tomado as “dores” dos timorenses que, por terem escolhido ser independentes, sofreram às mãos dos militares de Suharto e das suas milícias todo o tipo de humilhações; os seus mortos e feridos e a total destruição do País. 

Estávamos no fim do século XX, 1999 e as constantes manifestações dos portugueses de apoio aos irmãos timorenses não tinham paralelo. Com o nosso apoio e de todo o mundo, Timor-Leste restaurou a sua independência a 20 de Maio de 2002 com a eleição livre do primeiro Presidente, Xanana Gusmão. 

Hoje, quase dez anos depois, decorreu a primeira volta da eleição do terceiro Presidente do mais jovem País do universo da Lusofonia – Timor-Leste! 

Um viva aos timorenses! 

 Silvestre Félix

OTELO!


Otelo é uma referência histórica que deve ser respeitada e até valorizada!

No entanto, o comportamento verbal do herói de Abril quando lhe metem um microfone à frente e se refere à “atitude” das Forças Armadas nacionais, face à situação atual do País, é altamente reprovável. Lamento profundamente que Otelo tenha parado no tempo e não se aperceba das mudanças que aconteceram em Portugal.

Hoje, com a “raspagem” constante na nossa independência e com todas as incertezas quanto ao futuro, a existência dumas Forças Armadas vigilantes e operacionais, podem garantir, no limite, a nossa soberania mas, esta conformidade, não é compatível com o que Otelo, mais uma vez, disse. 
     
Silvestre Félix

DA ECONOMIA...

O ministro que “veio do outro lado do mundo” continua querer parecer-se a “batido” militante, “atacando” diretamente na Assembleia, líderes parlamentares e partidários numa onda muito pouco técnica como lhe compete, preferindo um tom agressivo completamente despropositado no momento, no local e, por isso, esvaziando por completo qualquer sentido de Estado que se lhe exige. 

A razão da sua razão perde valor e importância como, aliás, vem acontecendo com algumas das áreas que, a pouco-e-pouco, vão fugindo da sua responsabilidade. 

Observando bem algumas expressões faciais nas bancadas à direita enquanto o “homem que desceu do frio” falava, percebemos como têm medo das “calinadas” que esse “homem” possa dizer. 

Silvestre Félix

MEDIÇÃO DE AUDIÊNCIAS

A história da nova medição de audiências às televisões é do “Arco-da-Velha”! 

Pelas denúncias que conhecemos é realmente muito estranho que este trabalho tenha sido adjudicado ao concorrente que ficou em último lugar na apreciação técnica. Por outro lado, e já depois de detetados os primeiros erros grosseiros a empresa reconhece publicamente algumas insuficiências considerando normais os problemas existentes no início da concessão. 

 Entre outras coisas a diminuição de dados recolhidos na faixa etária acima dos 50 anos é de “bradar aos céus”. 

 A RTP conseguiu finalmente que a nova medição seja objeto de auditoria. 

 “A, César o que é de César!” 

Silvestre Félix

TRABALHOS E PAIXÕES DE FERNANDO ASSIS PACHECO De Nuno Costa Santos


A grande massa de portugueses conheceu Fernando Assis Pacheco assistindo, em 1977, ao êxito que foi o programa televisivo, “A visita da Cornélia”, apresentado pelo “grande” Raul Solnado.

Nuno Costa Santos escreveu a biografia de Fernando Assis Pacheco que, em tempos, assim se definia: «Sou o FAP, 41 anos, um pasmado sem cura. Tudo me espanta, gramo a vida, quero morrer mais lá para o verão.» O autor chama-lhe “trabalhos e paixões” mas, do género, é do que mais gostei nos últimos tempos. FAP era fascinante. Jornalista e escritor com uma forte marca poética, trabalhou em várias publicações destacando-se, pelo compromisso profissional permanente, nos jornais: “Diário de Lisboa”, “República”, “O Jornal”, “Jornal de Letras” e, até à sua morte, a revista “A Visão”.

Nuno Costa Santos consegue transmitir para o leitor a verdadeira personalidade de Fernando Assis Pacheco com o ritmo certo. Vale a pena ler estes “trabalhos e paixões”. Para os que já conheciam FAP é uma oportunidade de o recordar, para os outros, de o descobrirem.

Nuno Costa Santos é escritor e guionista e tem 37 anos e teve a coragem de levar a cabo esta interessante obra.

É uma edição da “Tinta da China” em Janeiro de 2012.

Silvestre Félix

MARCELO REBELO DE SOUSA


Marcelo Rebelo de Sousa, no habitual comentário de domingo à noite, criticou veementemente Cavaco Silva a propósito do que escreveu recentemente sobre os últimos tempos do governo de José Sócrates.

«Há uma minimização dos poderes do presidente a quatro anos do fim do seu mandato»; disse o Professor.

Se foi uma quebra de confiança, logo, uma grave irregularidade institucional, o Presidente devia ter demitido o antigo Primeiro-Ministro.

Isto é como nos casamentos;

Demitia o Sócrates ou então calava-se, pelo menos, até ao fim do mandato.

Silvestre Félix

OS BALÕES DO BPN…


O BPN tem-se revelado um “bico d’obra” e um “saco sem fundo” que ninguém consegue resolver. Todos tentam encontrar ou criar “bodes expiatórios” para a inacreditável situação do falido banco.

O atual PS tenta fazer crer que só este Governo é responsável pelos “balões” e prejuízos que o BNP continua a “chupar”, o PSD e o CDS continuam a culpar o PS e o anterior governo pelo que correu mal em consequência da nacionalização.

Estes não têm culpa do que herdaram mas, relativamente à nacionalização, é muito fácil “dar prognósticos depois do jogo” – se o governo de Sócrates não tivesse feito nada e, da forma como as coisas estavam a evoluir, os depositantes, com medo da situação, começassem a correr ao BPN e, por contágio, aos outros bancos, para levantarem todo o dinheiro depositado? Como ficávamos? Como ficava o País?

Com este “dirás tu, direi eu”, ninguém já fala dos verdadeiros culpados da situação, os antigos ministros de Cavaco Silva; Oliveira e Costa, Dias Loureiro e restantes comparsas. Os “senhores” continuam sem ser julgados, nem sequer estão presos e estes nossos políticos no ativo esgatanham-se todos por causa do “bife”.

Agora, aprovaram mais um inquérito parlamentar onde vamos voltar a assistir ao circo habitual. Vão uns, vão outros e, no fim, fica tudo na mesma – os culpados passeiam-se e gozam todos os prazeres da boa vida com o produto da vigarice…

e o , paga!

Silvestre Félix

CAVACO VS SÓCRATES

Cavaco Silva, desvalorizando completamente a responsabilidade institucional das suas funções e o que se lhe exige, no que respeita à estabilidade da democracia e ao seu desejável papel de árbitro nas relações dos vários intervenientes, escreveu, em prefácio de livro hoje tornado público, palavras, frases e expressões, diabolizando o antigo Primeiro-Ministro José Sócrates duma forma descabida e extemporânea.
Em circunstâncias normais, Cavaco Silva ainda será o mais alto magistrado da Nação durante mais quatro anos, não lhe ficando bem referir-se aos protagonistas da governação da maneira como o faz hoje, relativamente a José Sócrates. Mesmo que a razão lhe assistisse por inteiro, que não é o caso, digo eu, não o deveria ter fazer. Muito menos quando os seus telhados de vidro são enormes e também se podem partir.
Estou com muita curiosidade em ouvir o que António José Seguro tem a dizer sobre esta “prenda” de Cavaco Silva a José Sócrates.
Silvestre Félix

AGOSTO E AS PORTAGENS


O Governo e principalmente o Primeiro-ministro, ficaram muito mal na fotografia “Lusoponte”.

De facto, a Lusoponte recebeu duas vezes as verbas respeitantes às portagens da ponte sobre o Tejo de Agosto de 2011 – uma vez, através da cobrança aos utentes e, outra vez, a compensação contratual como se não tivesse havido cobrança.

Ora, a polémica continua, mesmo depois de já estar tudo explicado e, tal como do ponto de vista técnico já estava previsto, o encontro de contas deverá ser já feito neste mês de Março.

O muito mau disto tudo é a forma atabalhoada como o Primeiro-Ministro (não) explicou a situação em plenário da Assembleia da República e, não sendo suficiente, ainda vem um jovem deputado do PSD acusar o PS de criar uma “chafurdice política”, quando, quem levantou a questão foi o BE e, não contente, ainda acusou a “Estradas de Portugal” de ser o “braço-armado” do anterior governo. São expressões completamente despropositadas, ainda por cima, quando a “chafurdice”, a haver, ter sido do lado do Governo.
       
Silvestre Félix

AS PALAVRAS…


Continuo a encarar com alguma expetativa os debates quinzenais na Assembleia da República com a presença do Primeiro-Ministro.

Invariavelmente, após as primeiras intervenções “vai-se” o interesse, e a expetativa fica resumida a um enfadonho espetáculo em que cada “ator” tenta, buscando os melhores recursos ao seu dispor, representar melhor que o outro. 

Os temas e assuntos que preocupam a generalidade dos portugueses, raramente fazem parte dos “textos” e das “deixas”. Os protagonistas, sendo bons atores e especialistas no improviso, repetidamente desrespeitam os guiões e vão debitando as “falas” que mais aplausos arrancam à “plateia”.

«Palavras, leva-as o vento…»

Silvestre Félix 

OS ESTALEIROS DE VIANA E O CRESCIMENTO


É inquietante e desesperante a inação deste Governo no “salvamento” dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Alguns negócios confirmados estão em vias de ir “pelo cano” porque a empresa não consegue arranjar maneira de adquirir os materiais para iniciar as construções, sem que algumas decisões sejam tomadas pela tutela.

Entretanto, para “ajudar”, a “Douro Azul” anunciou hoje que os dois próximos navios-hotel a concurso, no valor de 50 milhões de euros, não vão ser construídos pelos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. Embora este negócio nunca tivesse sido confirmado, diz a “Douro Azul” que não pode correr o risco de ocorrerem eventuais atrasos na execução da encomenda e, «para bom entendedor, meia palavra basta!»

O País precisa de crescimento e é urgente dar sinais nesse sentido.

Enquanto se gastam nas lutas “intestinas” sobre as verbas do QREN, de que é que estão à espera para resolver o problema dos ENVC?

A regularização da laboração destes estaleiros, para além de manter ativo um dos últimos redutos da nossa secular indústria naval, ajudava a devolver alguma esperança e ânimo aos portugueses, especialmente, aos do norte de Portugal.

Silvestre Félix

DINHEIROS DO QREN…


A onda eleitoralista levou a que Passos Coelho cometesse o primeiro grande erro do seu Governo ainda antes de o ser – a redução de ministérios na orgânica governamental.

Diminuiu os ministérios e, em consequência, teve que aumentar as secretarias de estado. Em vez de melhorar na decisão e implementação de medidas, complicou porque os secretários de estado não estão (salvo as exceções previstas) no conselho de ministros concentrando-se os dossiers nos ministros de tutela que ficaram “super’s” com tudo o que de negativo daí vem.

A propósito da (discutida e, pelos vistos disputada) gestão dos milhões do QREN, mais uma vez é destapada a fraca prestação do professor que “veio do outro lado do mundo” para ministro do trabalho, da economia, dos transportes, das comunicações, do emprego, do empreendedorismo, da competitividade, da inovação, da energia, das obras públicas, do turismo, etc. (não sei se me esqueci de alguma função).

Será que qualquer outro ministro, competente que fosse, conseguia dar conta deste recado tão comprido? Este está mais que visto que não consegue e peca ainda mais pelas “bacoradas” que com muita frequência diz e pelas promessas (em breve será anunciado que…) e intensões ainda não concretizadas.

Na situação em que se encontra o País, todos os esforços deviam estar concentrados com a força de um Ministério da economia, empreendedorismo, competitividade e inovação. Assim não havia dúvidas para a gestão dos dinheiros do QREN… e pelo menos acreditávamos que o crescimento da economia era uma verdadeira prioridade.

Silvestre Félix

FUTEBOL E A SEGUNDA CIRCULAR!


Depois deste “trágico” fim de semana para a cidade Capital

pois, perderam os maiores da segunda circular,

começam a correr pelos circuitos da imprensa universal, notícias que dão conta das movimentações envenenadas das principais agências de notação que culminarão em mais uma descida de nível da Capital à beira rio plantada.

Neste início de Março, a vinte dias da Primavera, o alfacinha carrega a sina de perdedor.

Silvestre Félix

FREGUESIAS – O ELO MAIS FRACO!


A desastrada gestão da “chamada” reforma administrativa culminou com uma (forçada) nega do PS na votação realizada hoje. Segue-se a discussão na especialidade e todos esperamos que haja entendimentos para melhorar a proposta do Governo.

Mais uma vez, o PS, o PSD e o Governo, voltam a portar-se muito mal pela via da ausência de diálogo sobre uma reforma necessária e carente da contribuição de todos os que estiverem “por bem”.

O Governo e o PSD deviam ter chamado o PS mais cedo a dar a sua contribuição e, por outro lado, o PS também não se esforçou para entrar a sério na discussão duma boa reforma administrativa.

Assim, fica tudo pela rama porque sem mexer nos municípios não há verdadeira reforma. É mais fácil eliminar freguesias porque é o elo mais fraco.

A propalada “coragem” fica-se pela dissimulação. Ninguém quer ficar com o ónus de enfrentar o verdadeiro poder autárquico propondo eliminação ou fusão de municípios. Esse é que é o verdadeiro “busílis da questão”.

Silvestre Félix

O GARROTE DA ALEMANHA!


A Alemanha de Merkel já fez saber que não gostou que o BCE tivesse colocado 500 mil milhões de euros na economia europeia através de empréstimos à banca a juro baixo.

Continuam a crer, os dirigentes alemães, que a situação os favoreça só a eles e que os outros parceiros (??) se mantenham de joelhos.

Merkel e os seus piões não têm pejo em pôr em causa a independência do Banco Central Europeu agora presidido pelo italiano Mario Draghi.

Silvestre Félix                                                                                 

ACORDO ORTOGRÁFICO


O Secretário de Estado da Cultura lança confusão com a aplicação das novas regras ortográficas dizendo na TSF que até 2015 ainda podem ocorrer ajustamentos e que cada um, até lá, pode escolher como escrever.

Estas “bacoradas” depois de todos os documentos oficiais, incluindo o Diário da República, desde 1 de Janeiro, já estarem a ser elaborados com o Acordo Ortográfico e no ensino já estar a ser abordado para, no início do próximo ano letivo, ser a sua aplicação efetiva.

Silvestre Félix

LÍTIO - O OURO MODERNO

Contestação à exploração de Lítio-Serra da Estrela-24.08.2019  (DN online) Muitas regiões do nosso país têm o subsolo a abarrotar de o...