PASSAGEM NA “TERRA”


Foi, e continua a ser sempre pela vida vivida, e que ainda hei-de viver por esses caminhos abaixo e acima, que se dirigem a pontos muito distantes com muita luz ao fundo.
São caminhos de “cabras” com muitos pedregulhos, que exigem muito esforço de pernas e do “eu” que sou homem de luta vencida sempre pelo lado melhor desta passagem pela terra.
A figura sinistra das trevas e da “gadanha” rodeou-me, estudando a possibilidade de se alimentar dum “rico” espírito, mas, assim como apareceu, desapareceu no sinistro buraco.
A jornada é dolorosa com pequenos doces, que assim são mais saborosos, e que por isso têm muito mais valor.
A estrada vai sendo percorrida, e não vou nunca voltar para trás. O grau de inclinação é grande e requer mais força mas, com passos certos, lá hei-de chegar.
Quando tiver que encarar novamente a mudança de patamar, com uma partida “desta para melhor”, quero ter este caminho abaixo e acima, completamente percorrido.
SBF
29.09.2008

O DERBY




E o Leão perdeu.

É melhor nem olhar!

AS NOTÍCIAS BOAS




A crónica semanal do Nicolau Santos no “economia” do Expresso desta semana chama-se;

«Farto de más notícias, eis quatro boas».

É isso mesmo, com as taxas de juro a subir sem parar, com os combustíveis a preços proibitivos, com os Americanos há dois dias reunidos para descobrirem uma forma de safarem da falência mais bancos e seguradoras, com uma grande parte dos nossos analistas a procurarem afincadamente pretextos para deitar abaixo o nosso Primeiro desvalorizando o “sucesso” da abertura das escolas, procurando aspectos negativos no lançamento de “Magalhães” e ignorando os positivos, minimizando as vendas deste computador para o estrangeiro; Venezuela, Líbia, etc, com a derrota do Sporting ontem na Luz, com todas as outras desgraças verdadeiras ou inventadas, o Nicolau Santos fez muito bem em lembrar-se de algumas áreas em que os Portugueses são os maiores, a saber:

1 – O sucesso dos projectos-piloto na serra de Sintra e em Grândola na utilização de cabras que, controladas por cercas, comem tudo o que lhes aparece à frente incluindo os chamados “combustíveis florestais” (mato, caruma, folhagem, etc). O apetite devorador destas cabras, resolve um problema crónico das nossas matas que, em virtude do abandono a que estão sujeitas e a ninguém promover a respectiva limpeza, se tornam numa das principais causas da propagação dos fogos florestais. Com tão bom resultado, o primeiro projecto em larga escala vai arrancar nas serras de Aires e Candeeiros.

2 – O Nicolau Santos refere um livrinho publicado pelo “MEP” com 52 razões de esperança, algumas;

O espaço Shengen foi alargado a mais nove países em 2007 com uma solução informática da Portuguesa “Critical Software.
Temos a terceira mais baixa taxa de mortalidade infantil da Europa e a quarta do mundo.
O novo laboratório espacial europeu Columbus inclui tecnologia portuguesa concebida pela Efacec.
Somos o País da Europa que mais alterou a estrutura de exportações na última década: os produtos de alta tecnologia já representam 15% das exportações nacionais.
Estamos em 18º no índice de Desempenho Ambiental entre 149 países.
O PIB «per capita» passou de menos de 7 mil euros em 1986 para cerca de 17 mil euros em 2006.
Em menos de um século a esperança de vida duplicou.
Nos últimos 50 anos, o número de mulheres licenciadas passou de 11 mil para 600 mil.
São estas algumas das razões para termos orgulho em sermos Portugueses, mas ainda há muitas mais.

3 – Três jovens Portugueses ficaram em segundos e terceiros lugares em concursos de duas categorias diferentes de “Arte Aplicada” (designer) promovidos pela General Motors.

4 – Portugal tornou-se no primeiro País em todo o mundo com capacidade de produzir electricidade a partir das ondas do mar.

Gostava de perceber como é que a nossa comunicação social não valoriza as boas notícias com a divulgação merecida. Temos problemas como os outros têm, mas também somos bons em muitas outras coisas.

PS DEVOLVEU OS PELOUROS AO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA



Em Sintra, a campanha eleitoral para as autárquicas já começou em força. Bem se sabe, e não o digo com alegria, antes pelo contrário, que uma parte considerável dos eleitos autarcas por esse País fora, pouco se importa, ao longo dos respectivos mandatos, com quem os elege, mas ao menos tenham alguma vergonha e disfarcem algumas atitudes.

No caso em apreço, parece-me que os protagonistas, de ambos os lados, aproveitaram o pretexto exactamente para iniciarem a campanha eleitoral. Ao que se sabe, nem o Presidente teria um forte motivo para, em plena reunião de Câmara, declarar que retirava o pelouro ao vereador, nem o partido de que faz parte o “ofendido”, teria motivos para, no dia seguinte, devolver todos os pelouros ao Presidente da Câmara, e alguns são muito importantes e decisivos para o funcionamento de rotina da autarquia, como é o das finanças.

A um ano do final do mandato, vai a Câmara Municipal de Sintra ser objecto duma redistribuição de pelouros, sem a participação do PS, com todos os inconvenientes que se adivinham.

Quem se lixa, quem se lixa? Isso mesmo! O “mexilhão” que, neste caso é sempre o mesmo “O Zé Povinho”. E porquê? Porque os interesses meramente partidários falaram mais alto, não estão minimamente preocupados com quem precisa que a Câmara funcione regularmente.

Só lamento que para o ano, quando chegar a altura de se votar, muita gente se esqueça de quanto mal alguns, dos que estão nas listas, lhes fizeram.

OLHOS BEM ABERTOS!

FICÇÃO PORTUGUESA NA TV



Houve tempos em que não se conseguia ver ficção Portuguesa em nenhum dos canais de TV em Portugal.

A RTP recuperou um pouco essa vertente, mas sem grande impacto no universo dos telespectadores. Talvez porque a qualidade não fosse grande coisa. Há cerca de quatro, cinco anos, começou de facto a produzir e a transmitir algumas coisas com interesse.

O que a SIC tem feito nesta área é muito pouco para uma televisão com as suas ambições. Mesmo assim, algumas tentativas feitas, designadamente com telenovelas, acabaram a ser transmitidas pela madrugada fora sendo preteridas pelas brasileiras da globo.

Embora não seja telespectador regular da TVI, tenho que reconhecer ser esta a estação que tem dado forma aquilo a que se pode chamar “Ficção Portuguesa”. O produto telenovelas vingou e fixou o telespectador naquele produto, catapultando a TVI para o primeiro lugar de audiências permanentemente desde há quase dez anos. Esta realidade alterou completamente a realidade que existia no mundo artístico, desde os actores, directores, guionistas, realizadores, técnicos, etc, etc. Hoje, algumas companhias de teatro, vão tendo casas cheias muito por culpa das caras conhecidas da televisão, que vão fazendo regressos militantes ao teatro, para depois voltar à televisão para ganhar mais uns “trocos”.

A TVI desenvolveu uma estratégia eficaz, e a grande responsabilidade do êxito é do José Eduardo Moniz.

IC 19 - CONCLUSÃO DAS OBRAS



Finalmente as obras estão a chegar ao fim.

Que sorte tem a actual Câmara de Sintra.

Embora esta via não seja da responsabilidade da Câmara, todos sabemos que, a operacionalidade do IC 19, tem influência no resultado das eleições para esta Autarquia. Sendo as eleições daqui a um ano, e se este Presidente se recandidatar, está já certo que não vai ser penalizado pelos eleitores por causa do IC 19, como aconteceu com a Edite Estrela em 2001. Eu continuo a achar que a derrota da Edite Estrela em 2001, teve muito de “IC 19” que estava no meio das obras do troço anterior, com um autêntico pandemónio diário, e com todos os protestos promovidos pelas Associações de Utentes a ajudar.

Claro que a situação hoje é muito melhor do que era, e com a conclusão deste último troço, ainda melhor ficará, mas não chega para resolver o problema. Ficam ainda alguns “pincéis”; As vias de acesso ao próprio IC 19 das várias localidades e o IC 30 e o IC 16.

Tudo isto resultado do planeamento que não existiu. O que agora se fez ou ainda se vai fazer, deveria ter sido feito antes da Cavaleira, de Ouressa, da Tapada das Mercês, da Rinchoa, do novo Cacém, de Massamá, etc, etc.

Todos nós, os Utentes, ou simples cidadãos, somos o “mexilhão”, e os responsáveis ficam sempre bem na fotografia.

OS MARRETAS VÃO REGRESSAR



Os Marretas vão regressar em 2010 via cinema.
Depois de terem aparecido há mais de trinta anos, fizeram sempre parte das nossas vidas enquanto personagens mas acima de tudo no que elas representavam. Era de tal forma, que quando semanalmente os via no pequeno ecran, conseguia encaixar todas as personagens em outras tantas do meu dia-a-dia.

O Cocas, a Miss Piggy, Os velhos do camarote e todos os outros, dialogavam com todo o humor do mundo. Todos nós alcunhamos alguém com as diversas personagens e, ainda hoje, consigo identificar algumas.

Já estou a ficar ansioso.

POLÉMICA COM O LOCAL DE NASCIMENTO DE D. AFONSO HENRIQUES



O símbolo maior da nacionalidade, D. Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal, está no meio de uma polémica sem precedentes, por ter surgido um ou dois historiadores que defendem a teoria de que D. Afonso Henriques teria nascido em Viseu e não em Guimarães.

Vai daí, a Câmara Municipal de Viseu, governada pelo actual Presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, fazendo jus à sua “postura neutral e capacidade em encontrar consensos”, vem reivindicar a legitimidade de promover as comemorações dos 900 anos do nascimento do Rei Conquistador naquela cidade, em vez de Guimarães.

É claro que ninguém levará a sério esta pretensão, Guimarães irá fazer as comemorações como sempre o fez no que respeita a D. Afonso Henriques e, se alguma vez, se vier de facto a provar, que D. Teresa estava noutro local que não Guimarães, em 25 de Julho de 1109, naturalmente que as coisas serão diferentes, mas, da forma como a teoria aparece, não chega em argumentos para que se ponha em causa uma versão de 900 anos.

Em 2009 o acontecimento vai ser comemorado por PORTUGAL, tenha D. Afonso Henriques nascido em Guimarães, Coimbra ou Viseu.

HIPOCRISIA EM GRANDE ESTILO



Na madrugada de ontem, verificou-se o rebentamento de um engenho explosivo num terceiro andar dum prédio em Tomar. Ao que parece, era um engenho artesanal e de baixa potência, mesmo assim, arrancou as portas todas do prédio incluindo a da rua. Por sorte, digo eu, não deflagrou nenhum incêndio e os estragados foram só motivados pela explosão em si.

As notícias, na minha opinião, deveriam centrar-se no acto criminoso de quem fez a bomba e a colocou, pondo em perigo a vida dos moradores e provocando todos os estragos à vista, mas não. O que vi nas televisões e na imprensa, tratava acima de tudo, de quem morava naquele apartamento. A comunicação social tratou de branquear a culpa do, ou da bombista, e preocupou-se em saber se havia muitas mulheres lá a morar, se eram prostitutas, se entravam muitos homens, e a que horas, a nacionalidade das ditas, etc, etc.

Mas afinal em que País estamos? E em que Continente? E se tivessem morrido pessoas?

Espero que a Polícia e quem tem o dever de investigar, procure de facto o(a) bombista, e não vá na onda dos (em grande parte das vezes) hipócritas, defensores dos “bons costumes” e contra os chamados “atentados ao pudor”, que gostariam mais de viver no tempo do antigo regime, em que, um beijo na rua, podia dar direito a identificação e multa com ida à esquadra.

QUINTA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL



Tal como ontem se comemorou a aprovação da única constituição dos USA, também hoje, faz 63 anos, que foi promulgada a quinta constituição do Brasil.

Foi no dia 18 de Setembro de 1946 que a Mesa da Assembleia Constituinte promulgou a Constituição dos Estados Unidos do Brasil e o Acto das Disposições Constitucionais Transitórias.

A aprovação desta nova Constituição vem repor as liberdades e garantias da Constituição de 1934 e que, simplesmente, são apagadas na Constituição da ditadura do Estado Novo de 1937 que consagrou, como figura máxima da ditadura, Getúlio Vargas.


Esta Constituição, que reflecte e garante um Estado Democrático com todas as premissas inerentes, foi considerada muito moderna e avançada, considerando o recente final da segunda guerra mundial, e o contexto político da América Latina na época.

Seria assim até ao golpe militar de 1964 quando era Presidente João Goulart, que, a pouco e pouco e com constantes emendas, foi na prática anulada até à criação da sexta constituição em 1967, sendo, mais uma vez, institucionalizado um regime de ditadura nos Estados Unidos do Brasil, que duraria até à “abertura” política entre, 1982-1984, quando o General João Figueiredo era Presidente.

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA


Há 221 anos, a 17 de Setembro de 1787, culminando a Convenção Constitucional de Filadélfia na Pensilvânia, foi assinada a constituição dos Estados Unidos da América.

Este documento final, resultado de muitas discussões preliminares demoradas, conseguiu comprometer duas tendências dominantes na política Americana à época, a estadista de Thomas Jefferson, que defendia muita autonomia e poder para os diversos estados, e a que defendia um poder federal centralizado muito forte.


Esse grande País, que protagonizou a evolução da sociedade ocidental nos últimos 200 anos, nasceu, institucionalmente, naquele dia.
Se vivermos (O Ser humano) o suficiente, haverá quem escreva na história, a verdadeira importância que este País teve para a nossa civilização. Hoje não conseguimos fazer essa avaliação.

A cerca de dois meses de mais uma eleição presidencial, o mundo está de olhos postos nos USA. Hoje, as notícias davam conta, de que se a eleição fosse universal, ou seja, se os eleitores fossem os cidadãos do mundo, quem ganhava seria o Obama.

Por mim concordo. O mundo precisa que os USA mudem para melhor e, na minha opinião, a solução passa pela eleição do Obama.

NOVA LEI DO DIVÓRCIO



Na abertura do último ano parlamentar desta legislatura, votou-se, e desta vez em definitivo, a nova lei do divórcio.

Venceram os progressistas, venceu a modernidade e perderam os conservadores.

O divórcio litigioso é um conceito ultrapassado. Está na mesma “onda” daquela máxima; Família, Deus, Pátria e autoridade.

PETRÓLEO DESCE - GASOLINA SOBE



Por muitas explicações que nos dêem, nunca poderemos acreditar nesta “lógica”. Quando o petróleo aumentava todos os dias, imediatamente os combustíveis subiam na “bomba” dois ou três cêntimos, numa relação directa causa / efeito que, embora ninguém gostasse, pelo menos tinha essa justificação.

Agora, com o petróleo a descer mais depressa do que subiu, não só estão a demorar a descer na “bomba” como até têm o descaramento de aumentar a gasolina. Os sabidões da matéria dizem que as razões não são facilmente explicáveis e que estão em curso milhares de milhões de dólares de investimentos nas refinarias, que a procura aumentou, que…., que…, NADA! Estão é a tentar comer-nos por parvos, e esta tentativa é global, porque o mesmo está a passar-se por toda a Europa.

Com certeza que muitos como eu, ao ouvir as primeiras notícias da manhã, nem queriam acreditar..., A GASOLINA AUMENTOU pelo menos numa das marcas. é verdade mesmo, mais um cêntimo, e nós a pagar....

DIVA MADONNA



A frescura dos cinquenta anos da Madonna, fazem-me sentir muuuuito velhinho.

Independentemente da qualidade da artista, da sua forma de intervenção na sociedade, e da sua postura polémica, tem necessariamente de ter grande capacidade física para conseguir responder às exigências de concretização da actual digressão com mais de cinquenta espectáculos.

Domingo aí vai estar a actuar para 75 mil pagantes no Parque da Bela Vista em Lisboa.

É um fenómeno que ninguém pode ignorar. Com ela estará um equipa de cerca 250 pessoas e, só no palco, estarão 16 bailarinos e 12 músicos.

SELECÇÃO DE FUTEBOL



É muito difícil ver a selecção perder num jogo que deveria ter ganho aí por uns seis ou sete. Viu-se bom futebol e, do ponto de vista táctico, a nossa equipa esteve impecável, só que à boca da baliza da Dinamarca todos falharam e, quando não se marca, perde-se.

Bom, de qualquer maneira, foi só um jogo de futebol e para o próximo as coisas hão-de correr melhor.

INVESTIMENTO BRASILEIRO



O Brasil continua a ser notícia neste blogue.

A “Embraer” construtora brasileira de aviões, no seguimento dos acordos antes assinados com o Governo Português, preparou um pacote de investimento de 170 milhões de Euros para a construção de duas fábricas de componentes no concelho de Évora.


De acordo com declarações de Basílio Horta, responsável máximo da AICEP, à Lusa, a aprovação por parte do Governo português, vai concretizar-se esta semana.

Esta é a notícia que vale, e é a que conta para a nossa auto-estima, ainda por cima, tratando-se dos nossos irmãos Brasileiros, e não, a que dava conta da desistência de um outro projecto dos Franceses da “GECI Internacional” para a mesma região, aparecida durante o fim de semana em primeira página, e que ajudou a compor o anunciado discurso duma líder partidária. Só se esqueceram de destacar, que os ditos Franceses queriam incentivos na ordem dos 50 milhões de euros. Estamos fartos de exemplos em que os incentivos avançaram, as empresas instalaram-se e, mesmo antes dos prazos mínimos, puseram-se ao fresco. Acho que o Governo fez muito bem em não ir na conversa.

Bem vindos, pessoal da EMBRAER!

A LUSOFONIA



A nossa língua Portuguesa é Românica Ocidental sendo a 5ª mais falada no mundo e a 3ª no Ocidente. Actualmente, cerca de 230 milhões de pessoas nos Países membros da CPLP, e em mais, pelo menos 18 Países, expressam-se em Português. A língua evoluiu do Latim e desenvolveu-se na região da Galiza e norte de Portugal, designando-se como origem, “Galaico-Português” .

Após anos de indecisões, o recente acordo ortográfico veio regularizar algumas variantes na escrita e na fala, principalmente entre a prática Brasileira e Portuguesa. Depois do acordo, as regras são únicas, tendo sido uma medida decisiva para a evolução deste elo precioso de todos os falantes, podendo assim desenvolver-se a uma só voz, ganhando assim muita força no panorama linguístico universal.

A propósito das eleições Angolanas e do aniversário da declaração da independência do Brasil, é hoje reconhecido por toda a comunidade lusófona, que a nossa língua tem sido o melhor e mais importante instrumento, para o fortalecimento da unidade dos povos que compõem cada um dos Países da Lusofonia.

Foi o Português falado, numa primeira fase, e também escrito nas seguintes, que uniram os povos de Angola, de Moçambique e, principalmente desse grande País que é o Brasil. Teve também, uma importância decisiva para a consolidação da Pátria dos nossos irmãos Timorenses.

Cada Lusófono tem a missão de tratar a língua de Camões e de Pessoa, como de fina filigrana se tratasse, com muito cuidado e respeito pelo tempo fora.

ANGOLA E AS ELEIÇÕES II



Finalmente estão contados a quase totalidade dos votos dos eleitores Angolanos, as organizações internacionais felicitam as autoridades de Angola pela forma livre e democrática como decorreram as eleições, e os partidos menos votados vão reconhecendo os resultados e consequentemente a vitória do MPLA.

A Lusofonia está de parabéns pela regularização democrática de mais um dos membros da CPLP. O Povo Angolano merecia que esta tarefa fosse levada até ao fim e da forma como foi.

Como Português sinto-me muito contente e até, de certa maneira, orgulhoso pelos Angolanos.

GRITO DO IPIRANGA



Foi num dia 7 de Setembro, mas de 1822, portanto há 186 anos, que D Pedro I do Brasil e IV de Portugal, proferiu o “Grito do Ipiranga” dando início assim, ao processo da Independência do Brasil, cortando o cordão umbilical com o Reino de Portugal e dos Algarves.

A Metrópole que é hoje o Brasil, tem muito a ver com o facto da família real Portuguesa, ter fugido da invasão napoleónica instalando-se no Rio de Janeiro com passagem por Salvador. Tal como aconteceu com os territórios colonizados pelos Espanhóis na mesma América do Sul, e considerando a extensão dos mesmos, o que naturalmente aconteceria, era o aparecimento de vários países independentes, naquele que é hoje o território do Brasil actual. O efeito imediato da ida da corte para o Rio de Janeiro foi o provocar alguma organização de estado, desde as Guianas, ao norte, até Santa Catarina no sul e, ao mesmo tempo, o desbravamento para o interior no sertão.

D. João VI chegou ao Brasil no princípio de 1808 e, até ao seu regresso a Portugal em 1821, o Brasil tornou-se uma verdadeira Nação com uma organização de estado pronta a assumir o seu destino.

A vinda para Portugal de D. Miguel, irmão mais novo de D. Pedro, antes do resto da família, com o intuito de usurpar a coroa Portuguesa em combinação com a mãe Carlota Joaquina, víbora autorizada por um casamento de conveniência ao tempo, com D. João VI, e que assim, pelo filho seu protegido, chegava ao poder, provocou a atitude definitiva pela independência do Brasil por parte de D. Pedro precipitando-se e é concretizando-se com o “Grito do Ipiranga”.

Ainda assim, este D. Pedro I no Brasil, consegue vir expulsar de Portugal o absolutista D. Miguel, reinando como D. Pedro IV durante sete dias e abdicando a favor de sua filha D. Maria da Glória.

ANGOLA E AS ELEIÇÕES



Finalmente Angola vai ter eleições. Passo possível só depois do desarmamento da Unita. Durante praticamente vinte anos, a partir de 1980, viajei com alguma frequência a África sendo Angola e Moçambique, os principais destinos. A experiência com os angolanos, permite-me afirmar que a grande maioria deseja praticar esta democracia e, fartos de guerra, vão finalmente viver em paz e transformar Angola num grande País e numa verdadeira potência africana.

Muito embora eu tenha esta certeza, a democracia, tal como a entendemos no ocidente, não é copiável para África e, se dúvidas haja, basta analisar o contexto do continente nesta matéria. Duma forma geral, os “grandes” especialistas e puristas do nosso País, confundem estas duas realidades tão diferentes. Acontece mesmo com personalidades que eu até admiro e bastante, mas quando se põem a botar “discurso” sobre a democracia em África, transformam-se em ignorantes primários. Os povos africanos eram, até há cinquenta anos atrás, colonizados e nalguns casos escravizados pelos Europeus, como podem agora, estes mesmos Europeus, quererem que os africanos, encaixados em fronteiras políticas que também eles (os Europeus) fabricaram e que não têm
nada a ver com as fronteiras ancestrais e originais, acreditem e pratiquem a democracia ocidental? Ou seja, os poucos Países com “democracia”, são a excepção que confirma a regra.

Torcendo para que em Angola esta democracia dê certo, os PALOP’s, deste ponto de vista, serão exemplo para o grande continente africano. Temos regimes democráticos consolidados em Cabo Verde e Moçambique e esperamos que o mesmo aconteça agora com Angola. S. Tomé, embora com alguma fragilidade, também caminha no mesmo sentido. Na Guiné-Bissau a situação é um pouco mais complicada.

Pessoalmente, e sem qualquer sentimento paternalista, sinto-me orgulhoso sempre que as coisas correm bem. Os angolanos merecem que o seu desenvolvimento se transforme em riqueza, e que essa, realmente beneficie toda a população.

PAULO PEDROSO



Não são os cem mil euros ou quinhentos mil ou um milhão que recolocarão o Paulo Pedroso no mesmo sítio onde estava.

Ele pode regressar ao Parlamento, pode voltar a ter funções partidárias, pode até voltar a ser Ministro mas, nada vai apagar os meses que esteve na prisão, as más caras que lhe mostraram, as “bocas” que concerteza ouviu.

Neste caso ainda se reconhece publicamente que houve erro grosseiro do juiz que o pôs na prisão, o Estado vai duma forma ou doutra assumir a responsabilidade mas o Senhor juiz também devia ser penalizado por isso.

Quantas vezes não são cometidos erros, mesmo sem serem grosseiros, em situações idênticas e, como não há capacidade para se questionar a decisão do juiz ou juíza, fica tudo bem.

Tenho muita dificuldade em ouvir um senhor juiz que representa um sindicato de classe, a tecer considerações sobre a capacidade e honestidade de membros do Governo e dos Deputados da Assembleia que são “O legislador”. Na maior parte das vezes prestava um bom serviço à sua classe, se estivesse calado.

LÍTIO - O OURO MODERNO

Contestação à exploração de Lítio-Serra da Estrela-24.08.2019  (DN online) Muitas regiões do nosso país têm o subsolo a abarrotar de o...