Avançar para o conteúdo principal

O PODER NA EUROPA E O TRATADO DE LISBOA

Há um ano, exatamente a 1 de Dezembro de 2009, a circunstância ainda tinha pompa para assinalar, junto à Torre de Belém, a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, assinado dois anos antes, bem perto, no Mosteiro dos Jerónimos.
Este jovem (há um ano) tratado, iria proporcionar um funcionamento célere e condizente com as exigências de uma Europa forte e desenvolvida. Já na altura me parecia que criar o Presidente do Conselho Europeu e a Autoridade para a Política Externa, autónomos da Comissão já existente, provocaria mais confusão ainda, não reforçava o poder de coordenar e responder, na instituição União Europeia, nem resolvia o velho problema de: Para quem é que o Presidente dos USA telefona quando quiser falar com a Europa?
Com a chegada de 2010, a crise financeira sobe degraus aos três de cada vez, Bruxelas não tem meios nem poder para resolver nada e ninguém lhes ligam nenhuma. Os mercados só reagem aos recados de Berlim, que nem sempre têm sido bons para a UNIÃO e estão atentos aos encontros de Sarkosy com Angel Merckel que, acabam por concluir, estar o Tratado de Lisboa necessitado de ser revisto no pormenor de controlo financeiro.
O Jovem Tratado está hoje já velho, como tudo o que se passa na Europa.

Os juros das dívidas soberanas estão hoje em forte queda.
O Presidente do Banco Central Europeu, Tricher, afirmou ontem que o BCE ia começar a comprar títulos de tesouro de alguns países e, confirma-se, hoje já está no mercado. Aí está o efeito.

Foi preciso que as campainhas (juros a subir em flecha) começassem a soar também em relação às “soberanas” da Espanha, Bélgica, Itália e até, (imagine-se) da França, para que Tricher decidisse fazer o que, se calhar, já devia ter feito há muito tempo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

COLÉGIO INTERNO

A propósito do “post” anterior, fico desesperadamente incomodado quando vejo miúdos de 9 anos, neste País que é o meu, ingressarem em colégios internos militares. O ensino (vertente académica) ministrado, até pode ter muitos méritos, mas, já o facto de ser em regime interno, separado dos amigos e de quem mais se gosta, na minha opinião, é muito mau. Eu nunca faria essa maldade a um filho meu. Aqui tem a agravante de ser um autêntico quartel de tropa prevalecendo toda a ordem e disciplina militar.
Estou a recordar-me duma grande reportagem transmitida há dias, salvo erro pela SIC, sobre um colégio com estas características, e percebi que alguns dos miúdos não gostaram nada da ideia, como aliás é normal. Uma arma devia ser o último objecto a mostrar-se a uma criança, aqui, e em qualquer parte do mundo. Neste colégio, não só se mostra a arma como se ensina a andar com ela, com certeza como funciona, e a considerá-la como fazendo parte do dia-a-dia do aluno.
Não me venham com a história q…

PROFETAS E OS SEUS MÓRBIDOS DESEJOS

Ainda a “Geringonça” não tinha nascido e já a davam como “nado-morto”.
De quando em vez, aí vêm “eles” exercitarem a sua capacidade profética.
Ou porque o resultado autárquico do PS é demasiado bom, ou porque o dos parceiros é fraquinho ou mau.
Qualquer coisa serve para quererem que os seus “mórbidos” desejos se concretizem, mas, sentadinhos vão ter de esperar porque, um(a) atrás do(a) outro(a), os “elementos-da-máquina”, vêm afirmando que tudo está bem “oleado” e que os portugueses podem dormir descansados e continuar a, finalmente, acreditar que para a frente será melhor. 
Era muito bom (digo eu) que, em muitas autarquias, fosse possível multiplicarem-se “Geringonças”.
Se assim fosse, o País ganhava e os portugueses viam a sua democracia reforçada.
Silvestre Brandão Félix 3 de outubro de 2017
Fotos: Google

SINTRA E OS TUK-TUK'S

Depois de ter feito promessas a todos os santinhos, para que, na Rua João de Deus, houvesse um lugarzinho livre para arrumar o carro de borla, bem no meio, do lado direito, lá estava o sítio à espera de ser ocupado, porque os ditos santos, assim tinham determinado. Deixei-o bem no centro do espaço disponível e, iniciando a caminhada pelo passeio fora, senti e vi a chegada dum comboio à estação de Sintra.
No momento em que, vindo daquele lado, me aproximei da saída no topo da gare, um magote de pessoas, empunhando cartazes de todas as cores e feitios, arrancaram direito a mim, obrigando-me a estancar o andamento e a tentar perceber o que se estava a passar.
Instantaneamente, recordei-me das notícias que tinha acabado de ouvir no rádio – greve da Função Pública! Exatamente, são manifestantes e confundiram-se com algum governante disfarçado. Tudo isto numa fração de muito poucos segundos que nem tive tempo de ler o tinham escrito nos cartazes de protesto.
Endireitei-me e, disposto a encara…