ORDENADO (MÍNIMO) MISERÁVEL

É muito pobre continuarmos a discutir um “ordenado-mínimo” de tostões!

Mais pobre ainda quando existem partidos, confederações e associações nacionais que se continuam a bater por um OM, quanto mais baixo melhor.

Hoje, a questão na AR, era acertar o valor para janeiro entre os 557 euros que o Governo garante e os 600 euros que o PCP propõe.

São valores que não chegam para ninguém viver condignamente. É ridículo que se espezinhe a dignidade de quem trabalha, por uns míseros euros.

Enquanto tivermos que assistir a estas discussões estéreis que tocam no bolso de tantos milhares de portugueses, somos, de facto, um país pobre! 

Silvestre Félix
16.12.2016
Etiqueta: Ordenado Mínimo, Assembleia da República
Foto: Google 

Sem comentários:

HÁ ANEDOTAS BEM MAIS FRAQUINHAS

Tenho a impressão que deixaram plantado, ali para as bandas de Alvalade, um vírus que, como todos os outros que por aí andam, ataca sem ol...