Avançar para o conteúdo principal

OCIDENTE, ÁFRICA E A DEMOCRACIA

Na onda do que se entende no ocidente por democracia, continuam; a europa, os USA, e outros anglófonos e francófonos, a querer impor noutras latitudes o mesmo tipo de regime para, usando a força dos lóbis e da corrupção, levarem os seus negócios avante.

Vê-se o que aconteceu com a “primavera árabe”. Os ocidentais, com o argumento de que os ditadores no poder tinham que cair, ajudaram ao derrube dos regimes da Tunísia, Líbia, Egito e Síria, tal como já tinham feito com o Iraque.

O que ficou?

A Tunísia recuperou, mas continua instável.

A Líbia, sem Kadafy perseguido e assassinado pelos pseudo-libertadores, está transformada numa zona de tribos armadas e salteadores, sem qualquer controle estatal e o país está destruído.

No Egito, o exército acordou a tempo. Outros ditadores, chegados ao poder pelo voto promovido pela “primavera ocidental”, estavam a transformar o país numa ditadura religiosa.

A Síria, país, antes próspero, recebendo muitos milhões de turistas por ano, onde todas as religiões existiam em liberdade, ainda não é o califado e Estado Islâmico porque o antigo regime se defendeu contra tudo e todos. O preço é elevado, mas, como tudo leva a crer, está a salvo do domínio do Estado Islâmico.

Sem terem noção das diferenças do desenvolvimento das diversas regiões do globo, continuam, os ocidentais, a quererem mandar onde antes o fizeram pela colonização. A organização política que serve para a europa, a democracia que conhecemos, pode não servir exatamente da mesma maneira para África.

Neste sentido e pelas mesmas razões, choca-me ouvir referências altamente pejorativas, a países que antes foram colónias portuguesas e com quem temos relações privilegiadas, sem que, para além dos regimes vigentes há anos, simpáticos ou não, não tenha acontecido mais nada a registar.

Os portugueses já não mandam em Angola. 

O que se passa em Angola só aos angolanos diz respeito. Angola é um país africano e é à luz desse facto, que deve ser considerada qualquer análise séria sobre o seu regime político.   

Para mim, não é admissível que na nossa Casa da Democracia, a partir da tribuna, seja dito sobre Angola o que se disse ontem. Que o façam noutras tribunas, em manifestações, nas televisões, nos jornais, mas no mais importante Órgão do Estado Português, a Assembleia da República; não!

As últimas eleições em Angola, validadas pela Comunidade Internacional, foram em 2012 e as próximas, estão previstas para 2017.

Silvestre Félix
15.12.2016
Etiqueta: Angola, Assembleia da República
Foto: Assembleia Nacional de Angola (Wikipédia)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

COLÉGIO INTERNO

A propósito do “post” anterior, fico desesperadamente incomodado quando vejo miúdos de 9 anos, neste País que é o meu, ingressarem em colégios internos militares. O ensino (vertente académica) ministrado, até pode ter muitos méritos, mas, já o facto de ser em regime interno, separado dos amigos e de quem mais se gosta, na minha opinião, é muito mau. Eu nunca faria essa maldade a um filho meu. Aqui tem a agravante de ser um autêntico quartel de tropa prevalecendo toda a ordem e disciplina militar.
Estou a recordar-me duma grande reportagem transmitida há dias, salvo erro pela SIC, sobre um colégio com estas características, e percebi que alguns dos miúdos não gostaram nada da ideia, como aliás é normal. Uma arma devia ser o último objecto a mostrar-se a uma criança, aqui, e em qualquer parte do mundo. Neste colégio, não só se mostra a arma como se ensina a andar com ela, com certeza como funciona, e a considerá-la como fazendo parte do dia-a-dia do aluno.
Não me venham com a história q…

PROFETAS E OS SEUS MÓRBIDOS DESEJOS

Ainda a “Geringonça” não tinha nascido e já a davam como “nado-morto”.
De quando em vez, aí vêm “eles” exercitarem a sua capacidade profética.
Ou porque o resultado autárquico do PS é demasiado bom, ou porque o dos parceiros é fraquinho ou mau.
Qualquer coisa serve para quererem que os seus “mórbidos” desejos se concretizem, mas, sentadinhos vão ter de esperar porque, um(a) atrás do(a) outro(a), os “elementos-da-máquina”, vêm afirmando que tudo está bem “oleado” e que os portugueses podem dormir descansados e continuar a, finalmente, acreditar que para a frente será melhor. 
Era muito bom (digo eu) que, em muitas autarquias, fosse possível multiplicarem-se “Geringonças”.
Se assim fosse, o País ganhava e os portugueses viam a sua democracia reforçada.
Silvestre Brandão Félix 3 de outubro de 2017
Fotos: Google

A ESCURIDÃO DESTA SEXTA FEIRA

O mês de novembro, para mim, é sempre cinzento. Pode até ter um soberbo verão de S. Martinho, mas nunca deixa de ser escuro. No último ano ou dois, por maioria de razão, devido à contribuição desta Sexta Feira.
Se hesitasse na designação ou tivesse dúvidas sobre tamanha escuridão, esclarecido ficaria, quando hoje de manhã, à hora do costume, me dirigi ao Fórum de Sintra.
Havia bicha para entrar nos parques de estacionamento às dez da manhã. Numa primeira reação estranhei, mas rapidamente percebi. Pois claro, é a escuridão!
Mais uma americanice para o Zé “engolir”!
Sexta Feira negra, e em inglês como manda o figurino – “black Friday”. Está tudo louco! Aquela hora, as lojas já estavam cheias de gente e a comprar.
Como toda a gente devia saber, as famosas reduções nem sempre são verdadeiras. Entre essas, as verdadeiras, há muitas que subiram nos últimos dias, ganhando folga suficiente para baixarem hoje, vinte, trinta ou cinquenta por cento. Ou seja, o cliente, para comprar bem, deve, antes,…