Avançar para o conteúdo principal

FILHA DO TIBETE De Soname Yangchen


A história recente do Tibete é uma espinha atravessada na “garganta” da China que cada vez mais faz parte do nosso dia-a-dia, seja do ponto de vista económico, social ou cultural.

O livro “Filha do Tibete” transmite-nos a realidade resultante da invasão chinesa em 1950 durante a Revolução Cultural de Mao Tsé Tung do antes, País independente, Tibete. A “Filha do Tibete”, é a própria autora, Soname Yangchen que conta a sua história desde que, ainda criança foi obrigada a sair de casa dos seus pais para trabalhar na capital, Lhasa.

Soname, ainda pouco mais que criança, protagoniza a mesma fuga empreendida antes e depois dela, por milhares e milhares de tibetanos, incluindo o Dalai Lama, para o norte da Índia. Todo o sofrimento de Soname tem de ser enquadrado pela forçada submissão a que os tibetanos foram sendo conduzidos. Ainda hoje, os tibetanos permanecem aferrolhados pelo regime do invasor que tudo controla.

A autora e protagonista da história contada no livro, com a força de Dalai Lama sempre presente, com quem esteve algumas vezes pessoalmente e, em tantas outras, nas concentrações coletivas, e com os ensinamentos do Budismo como Guia da sua vida, conseguiu vencer as contrariedades e descobrir em liberdade outras verdades que, durante muito tempo, desconheceu.

Estas quase 200 páginas de leitura são fascinantes e aconselho a leitura.

Soname Yangchen nasceu em Yarlung no Tibete em 1973. Hoje, vive na Inglaterra onde é uma conhecida cantora de world music.

 A primeira edição é de 2006 e a que li é de 2008 e a editora é a “Quidnovi” com a etiqueta “Mulheres de coragem”.

Silvestre Félix

(Gravura: Capa do livro do site da Wook)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

COLÉGIO INTERNO

A propósito do “post” anterior, fico desesperadamente incomodado quando vejo miúdos de 9 anos, neste País que é o meu, ingressarem em colégios internos militares. O ensino (vertente académica) ministrado, até pode ter muitos méritos, mas, já o facto de ser em regime interno, separado dos amigos e de quem mais se gosta, na minha opinião, é muito mau. Eu nunca faria essa maldade a um filho meu. Aqui tem a agravante de ser um autêntico quartel de tropa prevalecendo toda a ordem e disciplina militar.
Estou a recordar-me duma grande reportagem transmitida há dias, salvo erro pela SIC, sobre um colégio com estas características, e percebi que alguns dos miúdos não gostaram nada da ideia, como aliás é normal. Uma arma devia ser o último objecto a mostrar-se a uma criança, aqui, e em qualquer parte do mundo. Neste colégio, não só se mostra a arma como se ensina a andar com ela, com certeza como funciona, e a considerá-la como fazendo parte do dia-a-dia do aluno.
Não me venham com a história q…

PROFETAS E OS SEUS MÓRBIDOS DESEJOS

Ainda a “Geringonça” não tinha nascido e já a davam como “nado-morto”.
De quando em vez, aí vêm “eles” exercitarem a sua capacidade profética.
Ou porque o resultado autárquico do PS é demasiado bom, ou porque o dos parceiros é fraquinho ou mau.
Qualquer coisa serve para quererem que os seus “mórbidos” desejos se concretizem, mas, sentadinhos vão ter de esperar porque, um(a) atrás do(a) outro(a), os “elementos-da-máquina”, vêm afirmando que tudo está bem “oleado” e que os portugueses podem dormir descansados e continuar a, finalmente, acreditar que para a frente será melhor. 
Era muito bom (digo eu) que, em muitas autarquias, fosse possível multiplicarem-se “Geringonças”.
Se assim fosse, o País ganhava e os portugueses viam a sua democracia reforçada.
Silvestre Brandão Félix 3 de outubro de 2017
Fotos: Google

A ESCURIDÃO DESTA SEXTA FEIRA

O mês de novembro, para mim, é sempre cinzento. Pode até ter um soberbo verão de S. Martinho, mas nunca deixa de ser escuro. No último ano ou dois, por maioria de razão, devido à contribuição desta Sexta Feira.
Se hesitasse na designação ou tivesse dúvidas sobre tamanha escuridão, esclarecido ficaria, quando hoje de manhã, à hora do costume, me dirigi ao Fórum de Sintra.
Havia bicha para entrar nos parques de estacionamento às dez da manhã. Numa primeira reação estranhei, mas rapidamente percebi. Pois claro, é a escuridão!
Mais uma americanice para o Zé “engolir”!
Sexta Feira negra, e em inglês como manda o figurino – “black Friday”. Está tudo louco! Aquela hora, as lojas já estavam cheias de gente e a comprar.
Como toda a gente devia saber, as famosas reduções nem sempre são verdadeiras. Entre essas, as verdadeiras, há muitas que subiram nos últimos dias, ganhando folga suficiente para baixarem hoje, vinte, trinta ou cinquenta por cento. Ou seja, o cliente, para comprar bem, deve, antes,…