Avançar para o conteúdo principal

FUNCIONÁRIOS JUDICIAIS, REABERTURA DE TRIBUNAIS, OU...

Afinal em que é que ficamos?

Os senhores funcionários judiciais querem que os tribunais encerrados pelo anterior governo, voltem a estar ao serviço das populações que deles precisam, ou não?

Numa intempestiva reação dos representantes de classe que, através dos microfones todos à sua disposição, manifestaram discordância na reabertura de 9 dos 20 tribunais, por ter sido pedida a colaboração das respetivas câmaras municipais que destacaram, provisoriamente, um(a) funcionário(a) administrativo(a), para que estes cidadãos da área abrangida não fossem discriminados com o adiamento desta aplaudida medida.

Os mesmos senhores protestaram, se calhar, não o suficiente, aquando do encerramento e, agora, reposta a normalidade em benefício de todos, recorrem a expedientes “cautelares”, só, porque, não havendo funcionários judiciais disponíveis, se recorreu à ajuda das câmaras municipais.

Dizem eles que, assim, os tribunais não podem garantir o segredo e a confidencialidade exigida.

Que se saiba, mesmo sem funcionários das câmaras a trabalhar nos tribunais, o “segredo de justiça” é, desde há muito tempo violado e, conteúdos inteiros de processos são escarrapachados nas primeiras páginas de alguns jornais e transcritos nos principais serviços noticiosos das nossas TV’s.

Vá lá! Prestem um bom serviço às populações e não compliquem a reabertura dos tribunais.

Silvestre Félix
04.01.2017
Etiqueta: Justiça
Foto: Google     

Comentários

Mensagens populares deste blogue

COLÉGIO INTERNO

A propósito do “post” anterior, fico desesperadamente incomodado quando vejo miúdos de 9 anos, neste País que é o meu, ingressarem em colégios internos militares. O ensino (vertente académica) ministrado, até pode ter muitos méritos, mas, já o facto de ser em regime interno, separado dos amigos e de quem mais se gosta, na minha opinião, é muito mau. Eu nunca faria essa maldade a um filho meu. Aqui tem a agravante de ser um autêntico quartel de tropa prevalecendo toda a ordem e disciplina militar.
Estou a recordar-me duma grande reportagem transmitida há dias, salvo erro pela SIC, sobre um colégio com estas características, e percebi que alguns dos miúdos não gostaram nada da ideia, como aliás é normal. Uma arma devia ser o último objecto a mostrar-se a uma criança, aqui, e em qualquer parte do mundo. Neste colégio, não só se mostra a arma como se ensina a andar com ela, com certeza como funciona, e a considerá-la como fazendo parte do dia-a-dia do aluno.
Não me venham com a história q…

NESTES DIAS, NO LIMIAR DA POBREZA

O Quim, sobre quem escrevi há dias, a propósito dos pretensos rankings das escolas do nosso país, só deveria voltar à sua escola no recomeço das aulas em janeiro do próximo ano. Sim, deveria ser assim, mas não é!
O Quim tem voltado à escola todos os dias, um pouco mais tarde, mas não falha ao almoço que continua a ser servido na escola, mesmo durante as férias. Alguns dias é a primeira refeição, outros, a Mãe lá consegue deixar alguma coisa de véspera para que não fique sem comer até ao almoço.   Ao jantar, a Mãe ou o Pai, trazem para casa a refeição quente da IPSS que lhes dá apoio e, assim, lá vão passando estes dias que, a maior parte deles, se resumem a isto mesmo; arranjar maneira de meter qualquer coisa no estômago para não ter fome.
Natal? Consoada? Pai Natal? Prendas? Compras? 
São tudo palavras que não constam no seu dicionário.
O Quim não inveja os que tudo isso têm, nem se sente revoltado por isso.
Só quer conseguir ter os livros e condições para poder estudar. Há de dar a vol…

ONDE ESTARÁ O "RICO" TALÃO?

Faça uma limpeza aos bolsos dos casacos e blusões, ao porta-luvas do carro ou aquele sítio para onde costuma atirar os talões de estacionamento, aos milhentos papéis que acumula na carteira, à gaveta lá em casa que, por muito cheia que esteja, ainda cabe sempre mais um “canhoto” de qualquer coisa. Veja também os talões de multibanco que costuma usar para marcar a leitura das revistas e livros na casa-de-banho.
É importante que siga os meus conselhos.
Procura-se talão da “Santa Casa”, esquecido algures, com um chorudo prémio de 7 milhões de euros.
Quem será este “jogador” que não tem a preocupação de conferir o resultado da jogada?
Pode ter muito e talvez queira, assim, aumentar os lucros da SCML…
Silvestre Félix 02.01.2017 Etiqueta: SCML Foto: Google